Publicado por: gabrielahesz | 24/01/2013

Skate Personalizado

Seguimos ai com os posts capengas, mas vira e mexe estamos aqui!

Hoje vou falar de um jeito legal que inventei para personalizar meu skate!

Acontece que quando comprei o shape do meu long ele era bem breguinha…com umas flores havaianas e umas cores nada a ver. Eu gostava do shape, mas o adesivo embaixo era COMPLICADO.

Ai resolvi inventar um jeito de deixar ele mais a minha cara! Me inspirei nesse projeto, o Skate Moss:

Imagem

Eu não sei se eles realmente chegam a vender estes shapes, mas achei a ideia muito legal, e pedi para minha amiga da Brainstorm fazer um pra mim!Imagem

Eu fiquei com preguiça de tirar as rodinhas e tudo para aplicar, e o adesivo ficou meio desconjuntado, mas eu amo mesmo assim! Já estou pensando em outras imagens pra ficar legal!

E vocês, já inventaram algum truque para personalizar o seu shape?

Publicado por: gabrielahesz | 21/11/2012

I <3 Skate – Beatriz Vivanco

A Gabi me pediu para escrever um texto contando pra vocês sobre a minha volta ao skate. Para começar, acho melhor contar onde tudo começou.

Eu era uma menina de aproximadamente uns 14 anos quando descobri o esporte. Tinha um primo, não muito próximo, que andava de skate e mais tarde foi patrocinado pela DropDead. Morava, e ainda moro, perto de onde existiu a finada Plasma Skatepark. E sempre tinha gente andando, atletas amadores ou profissionais, que sempre faziam meu olho brilhar. Nessa época resolvi que queria aprender e, totalmente contra a vontade dos meus pais, arranjei alguns amigos pra me acompanhar. Foi então que comecei a me divertir pelas ruas do bairro caindo e ralando os joelhos e o cotovelo.

E a vida foi indo assim até eu entrar na faculdade, aos 17, e descobrir que o mundo adulto me esperava. Acabei me afastando daqueles amigos, e os rolês foram ficando escassos. A pista da Plasma morreu, as idas à marquise do Ibirapuera e ao Museu do Ipiranga foram minguando e, quando vi, tinha deixado adormecer a minha paixão. Pouco tempo depois a reforma das calçadas da Avenida Paulista até foi uma tentativa de acorda-lá, mas nada funcionou. Desde o final de 2010 achava ter decretado a morte do skate na minha vida, até que descobri algo que poderia fazê-lo renascer.

Em 2012, já com 21 anos, fiz alguns cursos na Perestroika, uma escola de atividades criativas que nasceu em Porto Alegre e tinha acabado de chegar em São Paulo. Um monte de gente apaixonada falando sobre diversos assuntos, nada poderia soar mais sedutor. Como já era aluna fiquei sabendo do nascimento de um curso, sonho da coordenadora Elisa Gijsen, de skate para meninas. Sob o nome S.W.A.G. (skate with a girl) eu vi a oportunidade que faltava para trazer o skate de volta pra minha vida. Fiz a inscrição e esperei por algumas semanas o início das aulas, o que para mim pareceu uma eternidade. O curso seria ministrado pelos atletas da Element coordenados por Rogério Mancha, um dos nomes mais importantes do skate nacional dos anos 90.

Mulherada aprendendo

Os dias passaram e a primeira aula finalmente chegou. Aula inaugural com Rogério Mancha, Karen Jonz e Carol Althaller (WGSN) sobre o lifestyle e a cultura que fazem parte da história do esporte. Foi incrível, o Mancha foi super atencioso e levou uma parte da sua coleção de shapes para decorar a sala, além de revistas e livros sobre o assunto. Contou sobre o nascimento do skate e a história que acabou se misturando com a história de vida dele. A Carol falou sobre a influência do skate na moda e as tendências de comportamento que estão colocando novamente o skate em pauta. E, por fim, Karen Jonz veio contar sobre a sua trajetória. Uma menina que se sentia desajustada e diferente que encontrou no skate um esporte que agregador e apaixonante. Nesse dia também ganhamos os nossos skates, inclusos no curso. Um Element Travel Well Cruiser, desevolvido para ser usado como meio de transporte com fibras de bambu, com um conceito todo sustentável. Um kit da Element Eden, a linha feminina da marca, e equipamentos de segurança (joelheira, cotoveleira, capacete e proteção pras mãos). Ao sair da aula, obviamente, não aguentei. Subi no skate e sai andando pela rua. Baita sensação incrível, senti minha alma sendo alimentada.

Meu skate

No dia seguinte tivemos a primeira aula prática, no Parque do Ibirapuera. Fomos apresentadas aos nossos professores: Klaus Bohms, Rene Shiguetto, Lucas Xaparral, Glauber Marques, Murilo Romão e o próprio Roger Mancha.  As 35 meninas foram distribuidas em grupos de acordo com a intimidade com o skate. Por já ter andado acabei ficando no grupo mais avançado, algumas meninas nunca tinham pisado em cima de um skate. Meu professor foi o Klaus Bohms, que foi extremamente atencioso, como acabei descobrindo que todos os outros meninos foram depois que conversei com outras garotas.

A turma

Foi um dia incrível, todo mundo super animado e feliz. As meninas aprenderam super rápido, afinal o modelo era maior  e proporcionava maior estabilidade. Todas sairam super satisfeitas e o amor pelo skate visivelmente contagiou todo mundo. Tiramos fotos, conversamos entre nós e com os atletas, andamos de skate e saímos todas com um enorme sorriso no rosto. Aquele sábado foi o dia em que começou uma nova etapa na vida da maioria dessas meninas. Uma etapa cheia de energias positivas, parceria, troca de conhecimento e o mais importante de tudo, um novo amor.

Publicado por: gabrielahesz | 21/11/2012

I <3 Skate – Gustavo de Magalhães

Continuando as entrevistas com nossos amigos do skate, hoje a gente falou com o Gustavo de Magalhães, que começou a andar este ano, aos 34!
Você ja havia andando de skate?
Eu nunca tinha andado. Brinquei um pouco quando era moleque… mas nem dá pra dizer que aquilo era andar!
Quando resolveu começar?
Comecei a andar aos 34 anos, mais ou menos 6 meses atrás.
Porque quis andar?
Já fazia um tempo que estava de olho no longboard. Tinha a impressão que era muito divertido e que eu não precisava de muita habilidade pra dar uns rolês.
Um amigo que nunca tinha andado também conheceu uma galera que faz downhill speed em Piracicaba – no interior de São Paulo, e começou a andar.
No meio disso tudo encanei que precisava aproveitar melhor minha cidade (que é Sampa) e levar meu filho de 3 anospra curtir os parques e se habituar com a atividade física.
Todos esses fatores me fizeram descolar um long e começar a me arriscar. Rapidinho comecei a me sentir confortável e – depois de comprar equipamento de segurança – logo saíram os primeiros slides.
Hoje vou para os parques da cidade todo fim de semana e levo meu filho. Ele adora skate e já consegue ficar de pé em cima e até arrisca umas pernadinhas. Mas tem um patinete e domina! Logo vai estar pró no skate também!
Qual é a principal dificuldade em andar de skate depois dos 20? 
Acho que as pessoas tem a tendência a ficarem mais medrosas e mais auto-críticas quando ficam mais velhas. Pra algumas pessoas de mais de 30 como eu, talvez parece meio indígno cair, rolar, aparecer com hematomas no trabalho, etc. e você nunca fez nenhum exercício também fica mais difícil e aumentam as chances de cair e se machucar.
Mas tem que ser meio moleque e se arriscar… em todos os sentidos!
O que você mais gosta sobre andar de skate?
Parece óbvio mas adoro o fato de deslizar em uma pranchinha com quatro rodas. O vento batendo no rosto, o asfalto passando rápido, o medinho de cair, a velocidade, a liberdade.
Você tem alguma dica para quem quer começar?
Compre um skate e saia pra andar. Esquece a vergonha e o medo de cair. Se seu medo é incontrolável, escolha outro esporte.
Qual a marca do seu shape, rodinhas, etc? 
Meu deck é um  Bomb Hills Sector 9, meus trucks são Paris Adam Colton 180mm, minhas rodas são Hawgs Mini Monsters 70mm. Também tenho um Carve Drop Boards Pro MTX Cross e um daqueles Mini Cruise retrô de plástico.
Onde você costuma andar? Com quem? Tem algum lugar que recomenda?
Gosto muito de ir no Parque Villa-Lobos e no Parque da Independência, embaixo do Museu do Ipiranga. Um é bem diferente do outro mas os dois me divertem. Vou sozinho ou com meu filho.
Qual o melhor tipo de roupa/tênis para andar?
Camiseta e bermuda. Tênis uso aqueles de skate que eu sempre usei. E desde que caí de cabeça no chão uso capacete todas as vezes que subo no skate!

 

Publicado por: anabsf | 14/11/2012

Slide com estilo

Eu ainda não aprendi a dar slide sem me arrebentar, mas esse cara inventou praticamente uma nova modalidade de… olha, não sei bem. Melhor você assistir.

Fail/win! from Daniel Joona on Vimeo.

(Estou meio de volta!)

Publicado por: gabrielahesz | 13/11/2012

I <3 Skate – Mellina Passi

Oi gente!
Como a vida estava difícil, resolvi passar o trabalho sujo para os meus amigos e fiz algumas entrevistas com outras pessoas que também começaram (ou voltaram) a andar de skate depois dos 20!
A primeira é com a Mellina Passi, ou a Mell, que é UX Visual Designer e trabalha comigo =)
Ela tem 27 anos e voltou a andar este ano.

Andando pelo Ibirapuera

Você ja havia andando de skate?
Sim, aos 16 anos eu ganhei um skate de natal da minha madrinha (eu pedi, na verdade). Andava sozinha ou com os amigos da escola. Era divertido, mas nunca tive muito jeito pra street e acabei desistindo por um tempo.
Quando resolveu voltar?
Resolvi voltar por ideia do meu namorado. Ele super anda bem e queria que nós fizessemos mais coisas em comum – o skate foi o gancho. Fomos até uma loja e ele me deu o equipamento de segurança de presente como incentivo.
Porque quis andar?
Porque skate é liberdade total. Também gosto da adrenalina de ir ousando pouco a pouco nas manobras.
O que você acha que é mais difícil de andar agora mais velha?
Mais velha você tem consciencia do seu corpo, sabe até onde pode ir. Isso é ruim e bom ao mesmo tempo. Ruim porque você fica mais “cagona” para fazer algumas coisas, sabe que pode se dar mal. Quando mais nova você é mais inconsequente e isso no skate ajuda a evoluir mais rapido. Cair faz parte, velha ou nova.
O que você mais gosta no long?
O long não exige tantas manobras, são rolês mais tranquilos, aproveitando a paisagem. Mas dá para subir a adrenalina descendo uma ladeira, ou tentando uns slides inesperados.
Você tem alguma dica para quem quer começar?
Esquecer o medo de cair. Você vai cair, mais cedo ou mais tarde. Praticar outro esporte em paralelo ajuda a ter mais consciencia corporal também.
Qual a marca do seu shape, rodinhas, etc?
Rodas – Traxart
Shape – R-desk
Truck – Sativa
Onde você costuma andar? Com quem? Tem algum lugar que recomenda?
Com meu namorado e amigos. Gosto muito de ir no Parque do Ibirapuera a noite, quando está mais vazio e fresco.
Qual o melhor tipo de roupa/tênis para andar?
Gosto de calça legging ou shorts, uma camiseta mais larguinha, moletom e tênis resistente/confortável.
Publicado por: gabrielahesz | 25/07/2012

Como estamos hoje

Bom, faz dois anos que não postamos, acho que uma retrospectiva desse tempo é válida, né?

Desde que eu parei de postar aqui, parei de andar também. A vida foi me levando, caí na mobralidade e deixei o skate de lado por “falta de tempo”. Estava relendo meus posts agora e vi que essa era uma queixa quase constante em tudo que escrevi por aqui. Mas aos pouquinhos fui me reanimando, e uma série de coisas convergiu para que eu voltasse a andar de novo. Uma pena que tenha demorado tanto. O que mudou nesse meio tempo é que me vi com mais medo ainda do skatinho e resolvi tentar o long.

A Ana está morando na Alemanha (essa história ela conta!) e me deixou um dos longs dela. Mas ele era um long muito short para mim haha! Então aproveitei o jogo de rodinhas e comprei o shape mais baratinho que tinha na loja (não tá fácil pra ninguém) e montei um novo pra mim. Ele ficou assim:

Não sei a marca, mas vou tentar descobrir. Comprei esse sábado lá na Ratus.
Quem for de Santo André, lá é uma ótima opção! Os caras são muito legais e tem vários modelos para escolher.

E já estreei ele logo nesse sábado mesmo, no Paço Municipal de Santo André. Já falei dele aqui, e continua sendo um lugar bem legal para quem quer aprender. Quem não for daqui, acho que vale muito a pena procurar espaços desse tipo. O legal lá é que é um estacionamento, então é bem retinho – ótimo para quem está aprendendo! E também você evita os carros (de fim de semana quase ninguém estaciona lá).  Acho que todo mundo deve ter um cantinho assim onde mora.

Apesar do pouco tempo de treino, estou me dando muito bem com o long. É só subir que você já tá andando! E precisa de bem menos esforço pra remar do que o skatinho. Tô conseguindo me equilibrar bem. Depois que eu ficar mais confortável lá em cima, o próximo passo é treinar algumas manobras.

O legal é que isso tudo está unindo muito meus amigos também. Algumas meninas se empolgaram e resolveram levar os patins para andar junto. Quem não curte muito ficou só na cerveja, que também não deixa de ser divertido, né? Aqui estão a Deh e a Mari se divertindo no último sábado (Elas não sabem que estou postando essa foto, acho que iam me matar. Mas elas tão muito lindas, e eu não tirei nenhuma minha!)

Chame seus amigos para andar com você! É muito mais legal!

E bom…a minha história é essa! Por enquanto estou revezando entre o long e o skatinho, pra voltar a ter o equilíbrio que eu tinha antes. Vou passando aqui a minha evolução para vocês!

Espero que os desanimados se animem de volta também, porque está sendo muito legal!

Publicado por: gabrielahesz | 23/07/2012

Voltamos, talvez!

Gente, nem sei mais onde esse blog tá hospedado!

 

O fato é que vira e mexe eu recebo e-mail para aprovar comentários, e fico morrendo de vergonha de nunca mais ter aparecido por aqui.

Então eu voltei! Fiquei quase um ano sem andar, mas agora resolvi tomar vergonha na cara e dar mais uma chance. Nesse meio tempo, muita coisa mudou, nada mudou na verdade. Eu continuo mandando muito mal no skate e sem entender quase nada do assunto. Mas estou com o mesmo pique de antes para aprender e vou aproveitar que já temos esse canal para tentar desenvolver isso.

 

Como já tomei o primeiro passo de finalmente voltar a escrever aqui, vou me dar ao luxo de contar as novidades no próximo post (vou me esforçar para ser nesta semana ainda!).

 

Enquanto isso, fiquem com esse vídeo bem legal que me inspirou a voltar de vez pro blog!

 

 

Publicado por: anabsf | 09/07/2010

O importante é ficar legal

Pra começar, vou pedindo desculpas pela falta de atualizações. Tenho motivos: pra começar, a Gabi e o Nigel aparentemente abandonaram o skate, ao menos temporariamente. Daí sobra só pra mim, que entre uns vários blogs, trabalho e – é claro – os rolês, fico sobrecarregada. Mas dá nada.

Girsl just wanna have fun

E boys também. Explico. Eu tenho andando muito de skate – menos do que gostaria, mas mais do que sempre andei. Fim de semana passo todo o tempo livre de dia andando, e sempre que dá tempo dou uma escapadinha na semana, também. Como vocês sabem, eu sou completamente noob. Sério, eu sou muito ruim. Ainda caio por coisas idiotas, ainda não completo nenhuma manobra no long, nada. Mas às vezes, só de ficar me inspirando nos vídeos legais que o Eu Amo Longboard posta na semana, a gente esquece que vídeo é edição. E que o cara pode ter tentado 39 vezes a manobra e caído, e só ter conseguido na 40ª, que obviamente é a que entrou no vídeo.

Por isso, aliás, me fez bem ver esse vídeo de quedas

Ou seja, esses pros caerm, também. E daí eu percebi outra coisa: mesmo tentando e só errando, eu me divirto andando de skate. Me divirto fazendo só o que eu sei fazer. Me divirto remando e cavando, tentando fazer o manual, tentando andar no shape e falhando miseravelmente, agachando pra fazer as curvas e passando a mão no chão, indo pra frente do board e tentando me equilibrar com os dois pés juntinhos. Não preciso saber fazer grandes coisas pra me divertir.

E o negócio é se divertir, então não tem porque ficar encanando com o fato de eu não saber fazer nada. Heh. Por outro lado, não é por isso que vou parar de tentar, não. Tem uma parada que eu odeio, que é cair; mas quando você consegue fazer a parada e não cai, a sensação supera a vibe ruim de qualquer queda.

Publicado por: anabsf | 31/05/2010

Para os fotógrafos…

Eu não sou fotógrafa. Mas quando me arrisco, meus resultados práticos são bem melhores do que os que obtenho quando tento ser skatista.

Pois bem. A MTV lançou um joguinho em Flash viciante chamado Moment. A ideia: você é um fotógrafo de skate iniciante e precisa tirar boas fotos e conseguir vendê-las. Aí vai aperfeiçoando, vendendo por mais, comprando equipamento melhor…

É uma pena que eu já tenha tirado foto de duas sessions, fotos bem boas, e o jogo trava bem na hora da venda. Já perdi uns 300 dinheiros. Isso me desanimou e eu saí. Mas se não acontecer com você, sério, diversão garantida.

Publicado por: anabsf | 28/05/2010

Um vídeo belo e simples

Eu sempre achei que, considerando a minha falta de habilidade pra fazer qualquer coisa no skate que não seja andar de cá pra lá, seria difícil fazer um vídeo legal de mim andando.

Esse ta aí pra provar que eu tô enganada mais uma vez. Peguei lá no euamolongboard. E espero que a chuva dê trégua no fim de semana… tem festa do Coletivo Marte, aparece lá. Não tem espaço pra andar de skate, mas tem espaço pra trocar ideia.

Older Posts »

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 32 outros seguidores